Querido empreendedor, sua família e amigos são mais importantes que sua startup

Tempo de leitura: 7 minutos

Na era da comunicação digital, cresce continuamente o número de pessoas que se “aventuram” na carreira de empreendedor nessa vertical. E é verdade, empreender possui muitos pontos bacanas desde poder levar em frente suas idéias a vê-las gerar capital, algo que gera em nós uma das sensações mais emocionantes que um empreendedor pode experimentar. Mas também existe o “lado negro” da força. E desse, são poucos os que falam. Para conseguir gerar capital suficiente para sustentar não apenas sua idéia, mas também você, sua família precisa estar muito bem preparada tanto emocional quanto mentalmente. E isso não é brincadeira, nem de longe.

Eu cresci rodeada de exemplos de empreendimentos. Minha mãe, desde que tenho consciência da minha existência, sempre empreendeu. Minha vizinha, por exemplo, possuía 2 filhos para criar sozinha (o marido foi “comprar cigarro” e nunca mais voltou) e vendia doces caseiros (até hoje essa é a fonte de renda da sua casa). Minha avó foi dona de um restaurante e, desde criança, fui incentivada pelo meu pai junto com meus irmãos a empreender e gerar receita própria.

O tema importante que a maioria dos empreendedores esquece

familia2

Quando se pensa em empreender, geralmente pensamos no capital inicial (não é a banda) que será necessário, nas pessoas que serão contratadas, o local físico onde a empresa será instalada, qual será o público (ou definição de personas), a escalabilidade do seu produto, fatores de risco, comunidade de empreendedores envolvida, etc.

Porém, muitas vezes, esquecemos de fazer as contas do quanto este empreendimento vai custar para sua família. E eu não estou me referindo a mais um custo financeiro, mas sim ao desgaste emocional, as horas a menos que você passará com seus filhos, os apertos econômicos que este negócio imporá sobre a família, os momentos importantes que você certamente irá perder, nas inúmeras vezes que sua esposa vai reclamar (e com razão) que você não está dando atenção a ela. Meu querido e amigo empreendedor, antes de empreender, você precisa ter certeza dos custos que você terá que pagar.

A visão surpreendente de fora sobre você mesmo

zumbi

Então, deixe-me falar um pouco sobre um destes pontos segundo a visão da “patroa” e não do ponto de vista do empreendedor:

Como você já deve saber, a primeira fase de uma startup exige muito do seu “CEO“. Ele de fato precisa trabalhar muito. No meu caso, por exemplo, o Matt chegou a trabalhar mais de 14 horas por dia. Então você precisa trabalhar muitas horas, se alimentar, ir ao banheiro, assentar um pouquinho na frente da TV para fazer aquela descompressão e, no fim, dormir. E assim por muitos e muitos dias, de segunda a segunda. Pode ser que a rotina até mude um pouco, acrescentando ficar no Whatsapp com as 320 mil mensagens do grupo do San Pedro Valley antes de dormir. As semanas vão passando, o trabalho segue enorme, a tensão no pescoço e nas costas vai aumentando enquanto a paciência diminuindo e, enfim, quase que não dá pra diferenciar você de um… zumbi. Resumindo, você vai levando essa “linda” rotina para que seu empreendimento, talvez, dê certo.

Nessa luta toda, possivelmente resultado do cansaço mesclada com a ingenuidade por ser um empreendedor sem tanta experiência, pode ser que você se esqueça de um ponto bastante importante. Assim, após ler o texto até aqui, saiba que você não poderá mais dizer que “ninguém te avisou”, tudo bem?

Sua família precisa de você tanto ou mais que sua startup

desarmandobomba

Querido amigo empreendedor, saiba que, ao mesmo tempo que você está batalhando arduamente focando completamente nos seus clientes, doido para terminar seu produto, destruindo suas horas de sono, treinando seu time, dando o sangue para seu negócio dar certo, você também está instalando uma bomba atômica na sua casa com minutos contados para explodir. Portanto, se essa bomba ainda não explodiu, considere este texto como se fosse um guia de como cortar o cabo certo para desarmar essa bomba.

Essa rotina frenética tem sim seu preço. Sua esposa/família/amigos precisa de você. Não de você em estado vegetativo, mas precisa de você com tempo de qualidade. Precisa de você sendo parte da sua própria família. Sua esposa pode sim aguentar dias e dias desse ritmo absurdo, mas saiba que tudo tem limites. As deixas não poderiam ser mais claras, tipo “você precisa voltar mais cedo”, “tenho te visto pouco em casa”, “sábado você vai ficar aqui, né?”, “que dia vamos fazer aquele passeio juntos?”. Meu amigo, se você não se tocar com essas deixas, o negócio é grave. Se você ignora esses sinais, sua esposa pode virar um belo de um “O Império Contra-Ataca”. Sua casa vai acabar virando um campo de batalha. Assim, você adiciona a sua rotina de Trabalhar, comer, ver TV e dormir o item brigar. O toma lá dá cá seguirá continuamente com sua esposa reclamando sua ausência e você reclamando da falta de compreensão dela. Clássico, né?

Como mudar essa situação

change

Por isso, meu amigo empreendedor, quero que reflita no seguinte aspecto: Não existe nada pior que não ter paz em casa. Por isso, se você quer ser bem sucedido no seu trabalho, lembre-se que você vai precisar dos seus (familiares e amigos) te apoiando. Por isso, peço em nome de todas as esposas dos empreendedores digitais que você mude essa rotina maldita.

A seguir, compartilho com você algumas idéias que levantamos aqui em casa quando vivemos uma crise importante dentro deste tema:

  • Marque um horário para começar e terminar seu trabalho. Não é porque você é o chefe que precisa trabalhar de madrugada a madrugada;
  • Inclua a sua esposa na rotina de empreender. Apresente a ela outros empreendedoras (e suas esposas), convide-a a acompanhá-lo em alguns eventos. Com certeza isso os ajudará a estreitar os laços e a possuir mais assuntos em comum para conversar;
  • Declare o final de semana como sendo sagrado para sua família e amigos. Tente ficar longe do computador e do celular;
  • Lembre-se, você não precisa participar de todos os eventos lindos e maravilhosos que acontece no mundo do empreendedorismo. Você verá que vale a pena trocar vários deles por ficar em casa com a família;
  • Defina suas prioridades e dê o melhor do seu tempo para elas.

Conclusão

casaabandonada

Quando eu era criança, meu pai ficava muito tempo fora de casa por causa do seu trabalho e outros compromissos. Um dia, ele chegou mais cedo em casa. Vendo isso, eu e meus irmãos subimos para nossos quartos e fechamos as portas deles. Meu pai, surpreso, nos chamou para conversar e perguntou o motivo de termos “fugido” dele. Então, meu irmão respondeu: você nunca está em casa e, quando está, é um incômodo para nós. Essa resposta mudou completamente o comportamento do meu pai fazendo com que ele se tornasse um pai muito mais presente.

Lembre-se, se a bomba ainda não explodiu, busque tomar medidas antes que seja tarde demais. Agora, se você está curioso para saber como é ser esposa de um empreendedor, escrevi 10 tópicos, para não dizer muito mais a respeito:

  1. Não conseguir explicar a suas amigas o que seu marido faz;
  2. Incluir um monte de palavras novas no seu vocabulário que somente uma pequena parcela da população entende: B2B, B2C, Front-End, CEO, Coworking;
  3. Ir ao shopping e ficar 40 minutos na loja da Apple. E se tornar fã da Apple tanto quando o marido (Troque Apple por Android, se necessário);
  4. Programar todas suas viagens de ferias a lugares onde tem Wi-Fi;
  5. Ter um monte de aplicativos recomendados pelo seu marido instalados no celular sem sequer saber para que eles servem;
  6. Assistir um monte de TED e virar mais viciada neles que em Modern Family;
  7. Dar uma de experta entre suas colegas e amigos em assuntos de tecnologia;
  8. Encontrar com amigos empreendedores e suas esposas para jantar e ter que estipular a regra de não conversar sobre trabalho (dificilmente dá certo);
  9. Ter certeza que seu marido faz de tudo para nunca ficar sem bateria;
  10. Se sentir inspirada a levar suas próprias idéia a frente.

Sobre Ely Fernández

Elizabeth Fernández é formada em Pedagogia, professora de violino e professora particular de Espanhol e Gestora de Comunidades no Beved. Esposa do Matt Montenegro, fundador do Barba Ruiva.

  • gabrieldesousah

    Maravilhoso